Bloco de Notas

Imprimir

MANGA NO OLHO DO FURACÃO...

No 22 Março 2015.

Sucessão do prefeito Anastácio entra na mira dos adversários do petismo norte-mineiro

Para quem imagina que Brasília é a segunda cidade a atrair o interesse e as atenções do prefeito de Montes Claros, Ruy Muniz (PRB), em razão da recente estreia da primeira-dama do município, Raquel Muniz (PSC), no Congresso Nacional, aqui vai uma surpresa: Muniz anda muito interessado com o dia a dia da política e com o que acontece em... Manga.

O empresário-prefeito não perde oportunidade de se informar sobre os rumos da administração do petista Anastácio Guedes, irmão do deputado estadual e agora secretário de Estado Paulo Guedes, na pequena cidade fincada no barranco do Rio São Francisco. Consta que Ruy Muniz tem mantido conversações com alguns nomes da oposição local, quando sinaliza disposição em intervir  na sucessão do petista Anastácio, tudo com o objetivo de derrotar Paulo Guedes, seu arquirrival e provável adversário nas eleições municipais em Montes Claros.

Com a ajuda de Muniz

Um assessor de Muniz já antevê as manchetes dos jornais regionais no dia 6 de outubro de 2016: “Oposição em Manga derrota o PT com apoio de Ruy Muniz”. O prefeito de Montes Claros não é o único político de porte regional a ter os olhos voltados para Manga. Toda base aliada ligada aos tucanos na região, derrotada por Fernando Pimentel em outubro do ano passado, torce para o fracasso petista na cidade que serviu de cenário para o início da carreira do deputado Paulo Guedes.

Derrotar o petista que ostenta o título de deputado estadual mais votado na história de Minas na sucessão manguense é prioridade, entre outros, também para o deputado estadual Arlen Santiago (PTB), que sonha reconduzir o aliado e ex-prefeito Quinquinha Oliveira (PTdoB) à prefeitura local. Os adversários do petismo em Manga sonham com essa ajuda ‘estrangeira’ para enfrentar os atuais mandatários no município, porque o fiasco da gestão Anastácio até aqui não é garantia de vida fácil para a oposição, que não subestima a capacidade do secretário Paulo Guedes dificultar a sonhada virada.