Artigos

Imprimir

TEMER RESISTE, MAS ATÉ QUANDO?

No Segunda, 22 Maio 2017 08:18.

Presidente vai brigar pelo cargo, mas não reúne mais condições para dirigir o país

Semana decisiva para o presidente Michel Temer, que, a despeito de ter perdido toda condição moral para continuar no cargo insiste em investida no e contra o Judiciário para tentar preservar o que já não é mais passível de preservação, posto que chegou a estado irreversível de decomposição.

Escrevi aqui neste espaço em 11 de abril o texto ‘Temer firme no entorno em chamas?’ em que observa a impossibilidade do peemedebista ser a virgem pura e não maculada em meio ao puteiro da política nacional mostrado pela divulgação, na ocasião, da famosa Lista de Janot. Ali ficava cristalino, para quem ainda duvidasse, o que uso que boa parte dos políticos dão ao voto que recebe do eleitor. Uma elite financeira ligada a empresas com interesses multibiolionários compra presidentes, senadores, deputados e o que mais vier.

Embora citado nas delações da Construtora Odebrecht, o presidente Michel Temer não aparecia entre os investigados por prerrogativa de 'imunidade temporária'. Mostrei, no texto, que Temer não corria risco de ser apeado do cargo, apesar do processo em curso no Supremo Tribunal Eleitoral, em que Temer e Dilma Rousseff são acusados mutuamente de crimes no financiamento da campanha de 2014. Até então, tudo indicava que dali que o presidente deveria perder o sono -- hipótese agora incerta com o envolvimente do presidente nas conversas com o dono da JBS.

O que não dava para esconder era o fato de Temer trafegava pelo movediço terreno em que se transformou o setor público brasileiro e dali sair ileso. Na ocasião, não era possível saber a ‘bomba’ que a JBS jogou no colo de Temer.

Nosso sistema político foi tomado por uma espécie de gangrena ética e moral que agora chega ao ponto da metástase, com a descoberta de que Temer não poderia mesmo estar limpo com tanta sujeita a lhe invadir o entorno. No desespero, o presidente agarra-se aos velhos aliados de sempre no Congresso Nacional. Aposta arriscada, dado o nível do lamaçal que impera por lá.   

Imprimir

‘FOLHA’ DESPACHA AÉCIO NEVES

No Segunda, 22 Maio 2017 07:56.

Para colunista que substitui Aécio, senador mineiro é 'fraude moral' e já vai tarde   

Já escrevi em algum lugar minhas surpresa e indignação pelo fato do jornal ‘Folha de S.Paulo’ ainda publicar os artigos semanais do (ex) senador Aécio Neves (PSDB) em seu espaço de opinião. Diante das evidências de que o neto de Tancredo não é a flor que alegava cheirar (sem nenhum trocadilho ou segunda intenção), o jornal paulista finalmente baniu das suas páginas o político mineiro, que envergonha a tradição política do Estado e, seguramente, faz os ossos do avô tremer no túmulo.

Aécio é substituído pelo jornalista Marcos Augusto Gonçalves, que despedida acachapante do político mineiro. Pelo jeito, os artigos escritos pela assessoria do senador não incomodava apenas a este modesto escriba. O parágrafo de abertura do sucessor de Aécio já “Folha” é demolidor para o que ainda poderia restar da dignidade de Aécio:

“É com satisfação que me vejo a suprir por um dia a ausência do ex-senador Aécio Neves neste espaço - do qual, enfim, se despede. Alivia-se o leitor de suas chorumelas, e o país, de uma fraude moral e política que obteve 51 milhões de votos no último pleito”.

Dizer mais o que meus caros 17 leitores. A ‘Folha’ despachou Aécio à sua insignificância, mas faz um estranho malabarismo para defender o paulista Michel Temer, desde daquele estranhíssimo texto da quinta-feira da semana passada, em que declarou não serem ‘conclusivas’ as denúncias do bandidaço Josley Batista na conversa gravada no escurinho da garagem do Palácio do Jaburu com o presidente .

Aécio escrevia semanalmente na 'Folha' desde março de 2015. O agora ex-presidente do PSDB havia sido o titular de coluna entre agosto de 2011 e 16 de junho de 2014, logo após ter sido escolhido por seu partido para disputar a Presidência da República. A 'Folha' perdeu o encanto com o mineiro. Já era tempo. 

Imprimir

E QUINQUINHA DEU LUZ AO PARQUE UIRAPURU...

No Sábado, 20 Maio 2017 11:02.

Prefeito reage às críticas e manda religar provisoriamente iluminação da principal obra do petismo em Manga

Imagem: Clever Inácio - www.norticias.com.br 

Aos poucos o calundu do prefeito de Manga, Joaquim Oliveira, o Quinquinha do Posto Shell (PPS), cede espaço a algum resquício de racionalidade. Pressionado por críticas constantes da oposição e até mesmo de aliados, o prefeito anunciou na sexta-feira (19), com cinco meses de atraso, a religação da iluminação do Parque Uirapuru.

A obra foi pensada para ser o cartão postal da cidade e teria sido a marca da passagem do PT do deputado Paulo Guedes pela Prefeitura de Manga. Inaugurada às pressas no apagar das luzes do mandato, no final do ano passado, acabou sendo mesmo o grande mico da administração do prefeito Anastácio Guedes (PT).

As luzes do Uirapuru deram novamente vida nova às noites da cidade, assim como já acontecera no curto período em que funcionou, em dezembro do ano passado, nos dias que antecederam a posse do prefeito Quinquinha. Antes tarde do que nunca.

Este Blog foi o primeiro a apontar a incoerência e o desrespeito para com a população com a decisão de prefeito em fechar o parque, com o corte da iluminação e a interdição da ponte de acesso a uma das ilhas e a academia de ginástica que existem no local. Vejam o que escrevi em 4 de março deste ano no artigo ‘Manga bem que merecia mais’ :

“Quinquinha parece não ter nada a oferecer, a não ser reclamar de que o mundo conspira em seu desfavor. Para piorar, boicota à luz do sol a principal realização do petismo em Manga, a saber o Parque Uirapuru, que assim como a Lava Jato é um patrimônio do Brasil, se transformou em conquista inalienável dos manguenses – que mereciam mais, muito mais. Só para ficar no slogan de campanha do prefeito sem rumo nem prumo”.

O prefeito criticou o fato da ligação feita pelo ex-prefeito Anastácio Guedes ter sido provisória, mas repete o mesmo erro. Em seu perfil no Facebook, Quinquinha diz que “a nova ligação também é provisória, pelo prazo de 60 dias, prorrogáveis”. 

Política rasteira

Imprimir

GOLPISTAS GOLPEADOS

No Quinta, 18 Maio 2017 08:01.

Temer e Aécio se uniram para derrubar Dilma e enfrentam agora risco iminente de queda, após ação de procuradores

Choveu forte na noite do dia 17 de maio, no exato momento em que o jornalista Lauro Jardim publicou em seu blog, no jornal ‘O Globo’ as informações que tiveram efeito de hecatombe sobe o Palácio do Planalto. Foi, oxalá, metáfora oportuna de que é preciso lavar toda a sujeira que deixou perplexa a Nação, agora em meio à maior crise de sua história.

Os fatos que vieram a lume dão conta que o presidente Michel Temer foi gravado em diálogo para lá de embaraçoso com Joesley Batista, um dos donos J&F (a empresa controladora da JBS, mais conhecida pela marca de carnes Friboi). O assunto corre por toda a rede, desnecessário repetir, apenas com o lembrete de que Temer agiu para comprar o silêncio do ex-deputado Cunha e homem forte da República Eduardo Cunha -- responsável em grande medida pela cassação da ex-presidente Dilma Rousseff.  

O fato concreto é que Michel Temer perdeu toda e qualquer condição de governabilidade e só lhe resta um último gesto de dignidade: renunciar ao cargo. Não cabe aqui o argumento de que isso vai agravar ainda mais a já graves crises econômica e política que o país atravessa. A crise é subproduto da corrupção já há algum tempo. Ou o país enfrenta isso em definitivo, com um sonoro não a essas tentativas de tergiversação das elites do Executivo, Legislativo e Judiciário, ou jamais vamos recuperar nosso orgulho e sentimento de Nação.

Temer e o senador mineiro Aécio Neves foram protagonistas de bastidores do movimento que levou ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, cada vez mais caracterizado como golpe parlamentar – a despeito de todo desgoverno que Dilma legou ao país.

Fiador das reformas neoliberais que Temer tentava levar adiante, Aécio é, neste momento, um cadáver político. Não terá outra alternativa: deve renunciar ainda hoje à presidência do PSDB. Dificilmente escapa da cadeia, após ter a entrega da propina pedida à JBS monitorada pela Polícia Federal.

Acusados de golpistas pelo petismo, Temer e Aécio foram eles mesmos enredados pelas artimanhas dos donos da JBS. A delação dos irmãos Batista tem o diferencial de ter sido seguida das chamadas "ações controladas" feitas pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e Polícia Federal. Ação controlada é um eufemismo para cilada, por se tratar de mecanismo de investigação em que o flagrante do crime é calculado para garantir a geração de provas. A Polícia Federal estava por trás dos passos da turma ligada a Temer e Aécio, com câmaras e microfones ligados para a produção de provas. 

Podridão moral

Imprimir

TOMA LÁ DA CÁ DAS REFORMAS

No Quarta, 17 Maio 2017 13:41.

Temer assina MP que prevê o parcelamento da dívida previdenciária dos municípios

O presidente da República, Michel Temer, assinou na terça-feira (6) a medida provisória que prevê o parcelamento da dívida previdenciária dos municípios. O ato aconteceu durante a cerimônia de abertura da XX Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios e configura mais uma concessão do governo na tentativa de aprovar a reforma da Previdência.

A medida prevê o parcelamento dos débitos dos municípios em até 200 meses, a redução de 25% dos encargos, 25% da multa e 80% dos juros incidentes. Ao anunciar a normativa, Temer reiterou a necessidade de serem feitas as reformas para o desenvolvimento dos Entes. “Seguramente, eu posso dizer aos senhores, que logo depois de vencida essa etapa inicial das reformas fundamentais para o Estado brasileiro, nós vamos caminhar para o fortalecimento da federação”, reforçou.

A flexibilização de Temer com as prefeituras caloteiras em relação ao INSS de certa forma anula o argumento de que a população deve se sacrificar no tempo presente como forma de garantir as aposentadorias no futuro próximo. O governo também prepara perdão para as dívidas rurais. Tudo isso somado às muitas concessões que deixaram de fora da reforma os servidores estaduais e municipais, além de alívio para categorias especiais, casos dos militares, professores e trabalhadores rurais, também fica fragilizado o discurso oficial de que a não aprovação da reforma da Previdência Social vai inviabilizar o país para todo o sempre.

A impressão que se tem é que os ganhos com a eventual aprovação da reforma previdenciária já começam a ser anulados com os custos dos perdões como esse dado aos prefeitos. Na prática, Temer concede certidão negativa de débito com o INSS às prefeituras devedoras da previdência, o que automaticamente permite o acesso às emendas orçamentárias incluídas por deputados aliados dos prefeitos desses mesmos municípios.

No encontro com os prefeitos em marcha aqui em Brasília, Temer lembrou outra iniciativa da União como forma de fortalecimento dos entes: a repatriação de recursos remetidos ao exterior sem a devida declaração à Receita Federal. Na avaliação do presidente, a inclusão dos municípios na partilha da multa no final do ano passado e também neste ano foi fundamental para amenizar os efeitos da crise. “Muitos dos municípios conseguiram fechar o seu balanço no dia 30 de dezembro e no mesmo dia nós editamos uma Medida Provisória autorizando a repartição da multa”, destacou.

Reforma tributária