Artigos

Imprimir

TRAVESSIA EM MANGA TEM NOVA EMBARCAÇÃO

No Segunda, 10 Julho 2017 22:36.

Com custo de R$ 4,4 milhões, Balsa Califórnia tem capacidade para 65 veículos e oferece lanchonete a bordo

Motivo de reclamações dos usuários do sistema ao longo dos últimos meses, a travessia sobre o Rio São Francisco entre Manga e Matias Cardoso, no extremo Norte de Minas, terá um reforço a partir desta terça-feira (11/7). A empresa concessionária do serviço, a Navegação Confiança, de Belém do Pará, começa a operar a Balsa Califórnia, com capacidade para transportar até 65 veículos simultaneamente.

A embarcação conta com serviço inédito de lanchonete a bordo e tem espaço para acomodar 196 passageiros em seus dois pavimentos, metade deles sentados, com vagas reservadas para portadores de necessidades especiais, idosos e grávidas, e a outra metade em pé.

A embarcação tem 54 metros de comprimentos por 12,5 de largura, com porte bruto de 622 toneladas e área útil superior a 600 metros quadrados em sua estrutura de dois andares. O diferencial da Balsa Califórnia serão os serviços de bordo oferecidos por uma lanchonete no segundo andar, onde os passageiros deverão ser instalados com mais segurança durante o tempo da travessia.

Segundo a Navegação Confiança, o investimento na embarcação foi da ordem de R$ 4,4 milhões, valor eu incluí o custo da plataforma da balsa, construída em estaleiro do próprio armador, além do rebocador e motor de propulsão. A travessia entre Manga e Matias Cardso passa a contar agora com três balsas. A chegada da Califórnia deve contribuir para a melhoria na prestação do serviço, que tem sido alvo de críticas por parte dos usuários desde que a empresa paraense assumiu a concessão, há pouco mais de um ano.

Sinais trocados

Imprimir

LULA EM MINAS

No Segunda, 10 Julho 2017 13:20.

Principal vitrine petista após o impeachment de Dilma Rousseff, Minas Gerais tem recebido atenção especial do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lula falou outro dia à rádio Itatiaia, quando fez críticas ao governo Temer e se defendeu das acusações que enfrenta na Justiça. O ex-presidente volta a Belo Horizonte, nesta segunda-feira (10), para o lançamento do museu digital “Memorial da Democracia“. O projeto foi desenvolvido pelo Instituto Lula, em parceria com ao projeto República Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Lula participa do lançamento no Palácio das Artes na noite de hoje do museu digital, com acervo de mais de 900 episódios distribuídos em 72 anos de história. O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, também participa da cerimônia, que reúne ainda o petismo no Estado e conta com a participação de caravanas vinda dos quatro cantos de Minas. Só do Norte de Minas seriam três ônibus lotados de militantes.

O ex-presidente estará entre os seus e deve repetir o mantra de que o Brasil foi bem obrigado durante os seus governos. Lula, como é sabido, lidera todas as pesquisas de opinião para a corrida presidencial do ano que vem, mas não tem certeza de que seu nome vai aparecer nas urnas eletrônicas. Deve sair a qualquer momento a primeira decisão judicial sobre os processos a que responde. O juiz Sérgio Moro prepara sentença sobre o caso do apartamento no Guarujá. Deve ser condenado, mas vai recorrer, com grande chance de reverter essa decisão, pois o imóvel está no nome da Construtora OAS e chegou a ser listado como garantias da empresa em operações com debêntures. Mas é um primeiro processo. Há outros na fila.

Imprimir

A DEFLAÇÃO E NOSSA FRÁGIL ESTABILIDADE

No Domingo, 09 Julho 2017 11:39.

País registrou inflação negativa em junho, mas o alívio é pequeno diante da falta de líderes e soluções para a crise    

O Brasil teve deflação no mês passado. O IPCA de junho ficou negativo em 0,23%, o que não acontecia há 11 anos. A notícia é boa e, ao mesmo tempo, ruim. Processos de desinflação ou mesmo deflação, como é o caso presente, costumam ser associados a períodos de recessão, com forte queda da atividade econômica. As vendas caem por conta do baixo poder aquisitivo dos consumidores e as empresas e prestadores de serviço são obrigados a reduzir seus preços – ou pelo menos deixar de reajustá-los durante algum tempo.

A deflação de junho foi vista como um fato positivo, ao possibilitar que o Banco Central dê continuidade à sua fase atual de distensão da taxa básica de juros do país, hoje em 10,25% ao ano, uma das mais altas do mundo dito civilizado. Visto com mais cautela, o fenômeno da inflação negativa não é bom, pois demonstra o tamanho da crise em que estamos enfiados.

Na metade cheia do copo, contudo, a queda vertiginosa da inflação que estamos vendo no Brasil ajuda a explicar, pelo menos em tese e parcialmente, o porquê do país não ter entrado ainda em convulsão social após três anos de PIB negativo e forte recessão. Em junho do ano passado, pouco antes da presidente Dilma Rousseff ter sido afastada do cargo, a inflação acumulada em 12 meses era de 8,84%. Um ano depois, em junho passado, esse número fechou em 3% ao ano.

Voltado um pouco mais no tempo, a inflação do país havia avançado 10,67% durante o ano de 2015. Preços em queda ajudam a entender o silêncio da voz rouca das ruas. Para quem ainda tem emprego, a queda de preços acumulada vai a quase 11% entre o ano o início de 2016 e esta metade de 2017. Sei que é difícil acompanhar a sinuosidade do raciocínio, mas, na prática, é como se a massa de salários tivesse sido acrescida nesses mesmos 11%, embora isso não aconteça de forma linear – a inflação de uma família nunca é igual a do vizinho, pois está vinculada ao padrão de gastos. O agronegócio, contudo, contribui para o ajustes de preços para baixo com a super-safra que reduziu os preços dos alimentos.

Risco do caos social

Imprimir

JANUÁRIA TERÁ 1ª RÁDIO ALL NEWS DA REGIÃO

No Sábado, 08 Julho 2017 17:13.

Rádio Voz migra para o FM e passa a transmitir notícias durante todo tempo

Inaugurada em dezembro de 1988, a rádio Voz AM 870, de Januária, passou a transmitir seu sinal também na banda de frequência modulada, em 100,9 FM, desde o final do mês de junho. Mas essa nem a maior novidade: a antiga Voz AM 870 é a primeira emissora do Norte de Minas a iniciar a caminhada para operar um canal só de notícias, o all news.

A migração das rádios que operam na faixa AM para o espectro do FM foi autorizado por decreto, ainda em 2013, pela então presidente Dilma Rousseff, e só foi possível por conta da instalação da TV digital no país, que liberou a banda que se utilizava (e ainda se utiliza em alguns estados brasileiros) para transmitir os sinais da televisão aberta. A Voz News é a primeira emissora do Norte de Minas a mudar de endereço no dial, e a décima primeira em Minas Gerais.

“Daqui pra frente vamos tentar uma rádio News, ou seja, a informação em primeiro lugar”, contou ao Em Tempo Real o diretor da emissora, Ottorino Dal Moro Neto, que também mudou o nome da emissora. Além de migrar do AM para o FM, a Rádio Voz News, antiga Voz AM, vai cobrir todo tipo de evento, desde as reuniões da Câmara de Vereadores até eventos festivos da cidade, casos do Carnaval, exposição agropecuária e até missas solenes do calendário litúrgico local. “Vamos cobrir até briga de galo”, diz Ottorino em tom de brincadeira.

O projeto de migração do AM para o FM foi aprovado e publicado recentemente no Diário Oficial da União, bem como a autorização de uso de radiofrequência. “A aprovação do projeto foi a maior dificuldade. Mas após resolvermos todas as pendências das notas técnicas, fomos aprovados”, diz o executivo.

A ideia de criar uma emissora exclusivamente para transmitir informação, nos moldes da CBN e Jovem Pan, no Brasil, e BBC de Londres, que transmite jornalismo em tempo em várias línguas e países do mundo, segundo Ottorino, tem o objetivo de não conflitar com outras emissoras do grupo.

Digital 

Imprimir

TEMER VAI, A CRISE FICA (E SÓ PIORA)

No Sexta, 07 Julho 2017 18:58.

O PSDB resolveu, finalmente, colocar o guizo no pescoço do gato. Presidente da sigla, Tasso Jereissati deu a senha para o desembarque do governo com a avaliação de que o país caminha para a ingovernabilidade. Tudo é muito sintomático daquilo que pode ser (e certamente será) o fim do governo Temer, por corrosão de apoios em sua base.

Nas últimas horas a imprensa avançou, e mais abertamente, com as especulações de que Rodrigo Maia já se deu conta que a Presidência pode cair nas suas mãos por efeito da gravidade. Maia já estaria se articulando com gente do mercado e políticos para a transição iminente. O deputado nega, mas, nesses casos, negar sempre equivale ao seu oposto.

O senador Cássio Cunha Lima, tucano de certa relevância, foi mais incisivo: disse que o país terá novo presidente nas próximas duas semanas. A situação de Temer piorou visivelmente nas últimas horas, desde sua viagem para a Alemanha, onde participa da reunião anual do G20, a cúpula das principais economias do mundo.

A próxima semana será decisiva para o presidente. Suas declarações fora do país não ajudam. Ao pisar em Hamburgo, ele disse que não há crise econômica no Brasil. Depois, em vídeo divulgado nesta sexta (7), Michel Temer disse que seu governo está fazendo "voltar o desemprego" no país. O presidente parece viver o alheamento que antecede as quedas na política. O sentimento principal é o da negação e, em casos mais raros, certa confusão mental. Imagina quando começarem a vazar as delações de Eduardo Cunha.