Artigos

Imprimir

BASE DE ALCÂNTARA

No 12 Julho 2017.

Oposição vai sondar Luiz do Foguete sobre interesse em abrir CPI contra Quinquinha

Setores da oposição em Manga planejam enviar mensageiro para sondar o interesse do vice-prefeito Luiz Carlos Santana Caíres, o Luiz Fogueteiro (PRB), na abertura de processo de impeachment do prefeito do município, Joaquim Oliveira, o Quinquinha do Posto Shell (PPS), que foi cassado na última segunda-feira pelo João Carneiro Duarte Neto, da 2ª Vara Cível, Criminal e de Execuções Penais da Comarca de Manga.

A decisão, que pegou todo o mundo político de Manga de surpresa na noite da terça-feira, logo após a notícia ser publicada com exclusividade aqui pelo Em Tempo Real, prevê, além da perda do mandato, suspensão dos direitos políticos por quatro anos, além de multa e devolução dos valores pagos indevidamente pelo município à empresa Transporte Fluvial Oliveira, proprietária da balsa Ninfa da Índia, durante os anos de 2008 a 2012 (veja texto aqui).

Uma fonte de oposição disse ao site que a saída de Quinquinha do cargo pode demorar, já que ele certamente vai recorrer da sentença do juiz João Carneiro - apesar da peça que condenou o prefeito ser irretocável ao demonstrar a improdidade administrativa de Quinquinha. 

O revés do prefeito de Manga, entretanto, pode abrir uma avenida para a proposição da abertura de CPI na Câmara de Vereadores de Manga, onde a oposição tem pelo cinco dos seus votos disponíveis. Luiz Fogueteiro, que deixou o PT há pouco mais de um ano para ser o vice na chapa de Quinquinha sonha em governar o município e pode ter achado um atalho parar chegar lá.

Cacique político da oposição local, o deputado estadual Paulo Guedes (PT) está em viagem fora do país e ainda não deu seu aval para uma possível reaproximação com o vice-prefeito, que deixou o petismo, em março do ano passado, acusando os ex-companheiros de corrupção -- ainda naquele clima de intolerância que viria a resultar na cassação da ex-presidente Dilma Rousseff.

Decorativo

A ideia de fazer uma frente contra Quinquinha do Posto Shell, contudo, é vista com bons olhos por muita gente, porque faria o atual prefeito provar do próprio veneno que usou para conduzir, dos bastidores, o ‘golpe parlamentar’ que derrubou o ex-prefeito Humberto Salles, de quem era o vice no mandato de 2005/2008.

A ideia é aproveitar o momento em que Quinquinha parece ter dado um gelo no vice Luiz Fogueteiro, que anda desaparecido dos eventos e viagens oficiais. Não se tem ainda notícia de rompimento entre prefeito e vice, mas observadores da cena política local garantem que ele tinha mais espaço na administração durante o governo do petista Anastácio Guedes (2013/2016), quando era vereador, do que no atual cargo de vice.  

Há coisa de duas semanas, Quinquinha sofreu outra derrota acachapante na Justiça de Manga. Foi obrigado a entregar à Câmara de Vereadores dados da folha de pagamento de município desde o início deste ano. O site apurou que dessa mata também pode sair coelho que justifique, lá mais adiante, outra frente de investigação por parte dos vereadores. Claro, se vontade política houver.

“A sentença do juiz João Carneiro é, na prática, um roteiro para ensejar um processo de investigação contra o prefeito. Está tudo lá”, diz outra fonte, com o compromisso de não ter o nome identificado. Essa pessoa ainda lembra que os atuais assessores jurídicos da Câmara, os ex-vereadores e advogados Leonardo Pinheiro e Maurício Magalhães, foram atores importantes, embora em campo oposto, no processo de cassação do ex-prefeito Humberto Salles, aquele que levou Quinquinha ao poder pela primeira vez. Os dois poderiam resgatar suas experiências em caso de abertura de novo processo de impeachment contra o atual prefeito.

 

Comentários  

0 #1 Wagner Madson Carnei 12-07-2017 17:19
EI SEU MOÇO CADE A MATÉRIA QUE FALA DA CONDENAÇÃO DE LULA!!!
Citar

Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Entre os termos de uso do espaço para comentários estão a restrição a comentários racistas, misóginos e homofóbicos, além de xingamentos e apologias ao uso de drogas ilícitas, crimes inafiançáveis ou proselitismo partidário. Os comentários serão moderados ou recusados para evitar excessos.


Código de segurança
Atualizar