É BONITO ISSO?

É BONITO ISSO?

Prefeitura do extremo norte-mineiro compra sete picapes de luxo em pacote para renovação de frota…

More...
CALENDÁRIO DE PAGAMENTO DO PIS/PASEP

CALENDÁRIO DE PAGAMENTO DO PIS/PASEP

Começa a nova temporada de pagamento do abono salarial a 23 milhões de trabalhadores  …

More...
GRUPO VAI PERCORRER MARGENS DO VELHO CHICO DE BICICLETA

GRUPO VAI PERCORRER MARGENS DO VELHO CHICO DE BICICLETA

Jornada de cicloturismo será dividida em duas fases durante férias de participantes…

More...
ÁGUA PARA QUEM?

ÁGUA PARA QUEM?

Prefeituras reclamam de política federal que prioriza uso da água para geração de energia e não…

More...
FUTURO DO VELHO CHICO PASSA POR AFLUENTES

FUTURO DO VELHO CHICO PASSA POR AFLUENTES

Durante audiência pública em Januária, Codevasf fala em investimentos de R$ 67 milhões para reverter situação…

More...
MINAS FAZ BALANÇO DE INVESTIMENTO EM MUNICÍPIO

MINAS FAZ BALANÇO DE INVESTIMENTO EM MUNICÍPIO

Linhas do BDMG liberam recursos da ordem de R$ 600 milhões para obras de…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.

Codevasf avalia assumir custo de elaboração do projeto-executivo que define viabilidade da obra

Lideranças do extremo norte-mineiro fizeram caravana a Brasília na terça-feira (24) em busca de recursos para financiar a elaboração do projeto executivo de construção da ponte sobre o Rio São Francisco, entre os municípios de Manga e Matias Cardoso. Uma das soluções aventadas durante encontro de prefeitos com os deputados petistas Gabriel Guimarães (federal) e Paulo Guedes (estadual) está a inclusão do projeto, via emenda parlamentar, no orçamento geral da União de 2014. O plano plurianual de investimentos do governo federal já contempla a proposta de construção da ponte, que precisa ser efetivada na Lei Orçamentária Anual (LOA) para o ano de 2014.

A comitiva norte-mineira, formada pelos prefeitos de Manga, Montalvânia, Matias Cardoso, Juvenília e Jaíba, participou ainda de audiência com o presidente da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf), Elmo Vaz Bastos (foto). De acordo com o deputado Paulo Guedes, a ideia é repetir a estratégia utilizada por Gabriel Guimarães e o então deputado Márcio Reinaldo Moreira (PP), atual prefeito de Sete Lagoas, quando conseguiram incluir no orçamento federal as despesas para o projeto executivo de outra ponte sobre o Velho Chico na região, aquela que promete unir as cidades de São Francisco e Pintópolis, também no Norte de Minas.

No caso de Manga, o custo do projeto-executivo fica em torno de R$ 2 milhões. Os deputados querem que a Codevasf assuma essa despesa por meio do Programa de Investimentos em Infraestrutura Econômica Nacional. Note que a Codevasf não está vinculada à estrutura do Ministério dos Transportes - a quem caberia a responsabilidade do planejamento da estrutura viária no país, mas a ‘mãozinha’ da autarquia pode contribuir para que o projeto saia do arquivo e ganhe sobrevida nas planilhas do governo federal.

“Toda obra começa com a ação lideranças e a decisão política que vai possibilitar a liberação dos recursos para sua realização. Não é uma empreitada fácil, mas é preciso dar o primeiro passo”, avalia Paulo Guedes em entrevista a este Em Tempo Real. Segundo o deputado petista, a próxima etapa será a inclusão da obra da ponte em Manga no âmbito do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). A promessa de construção da ligação sobre o São Francisco entre Manga e Matias Cardoso foi uma constante durante a campanha eleitoral do atual prefeito de Manga, Anastácio Guedes (PT), que agora tenta 'liderar' o movimento pela retomada dessa pauta aqui nos gabinetes de Brasília.  

Quando e se sair do papel, a ponte vai facilitar o trânsito de pessoas e a produção do Norte de Minas com a região Oeste da Bahia e servir, na prática como uma nova opção de acesso aos estados da Região Nordeste. A obra pode contribuir para facilitar o escoamento da produção do projeto Jaíba e ativar a economia microrregional.

Ex-ministro descartou ponte em Minas

Vereadores rejeitam pedido de empréstimo que elevaria dívida do município para mais de meio bilhão

Imagem: Renato Duarte

O prefeito de Montes Claros, Ruy Muniz (PR), e a Câmara de Municipal, ou pelo menos o que seria sua porção majoritária, e aí se inclui parte da bancada governista, já não falam a mesma língua. O estilo trator de Muniz foi colocado à prova pelos vereadores e o prefeito colheu ontem sua maior derrota no Legislativo, desde a posse em janeiro. A votação desse projeto, por sinal, tem sido demonstração clara de barbeiragem política. Muniz foi acusado, inclusive de forçar a entrada no plenário da Câmara para tentar aprovar o texto em pleno sábado, durante a primeira apreciação da matéria ainda no mês de junho. Depois, o projeto chegou a ser aprovado, mas descobriu-se depois que o texto citava agente financeiro diferente daquele autorizado pelo governo federal para contratar a operação. Uma lambança. 

A Câmara rejeitou, na reunião ordinária da terça-feira (24), o projeto de autorização legislativa para que o município contratasse empréstimo de R$ 167 milhões com a Caixa Econômica Federal para execução de obras de asfaltamento na periferia da cidade. O convênio faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal e o financiamento seria pago em 30 anos e elevaria a dívida consolidada do município para valores que já ultrapassam R$ 500 milhões.

Maioria qualificada

Hospital de Januária volta a realizar cirurgias após oito anos de interdição

O secretário de saúde Januária, Onedes Bruno, reuniu a imprensa ‘pátria’ na tarde desta terça-feira (24) para comunicar a iminente reabertura do bloco cirúrgico do Hospital Municipal. O funcionamento do centro já conta com alvará sanitário (foto)emitido pela Coordenadoria de Vigilância da Gerencia Regional de Saúde (GRS) na sexta-feira da semana passada. A previsão é de que as cirurgias eletivas voltem a ser realizadas naquela unidade hospitalar já a partir do início do mês de outubro.

O bloco cirúrgico estava interditado há oito anos pela Vigilância Sanitária do Estado de Minas Gerais. De acordo com o secretário, a oferta de procedimentos cirúrgicos será gradual. “Não vamos criar falsas expectativas, primeiro vamos adaptar à capacidade de prestação de serviço do hospital”, disse Onedes Bruno. A partir de outubro, a unidade hospitalar passa a oferecer cirurgias eletivas de hérnia e próstata, posteriormente para o atendimento ginecológico e, em fase mais avançada, com remodelação dos equipamentos acessórios, as ortopédicas.

Ainda que mais lentamente do que recomendaria a pressa de quem precisa dos serviços de saúde, Januária vai deixando para trás o recente período sombrio que levou a uma inédita e pouco justificada greve de médicos, que ameaçou deixar a população sem atendimento na reta final do mandato do ex-prefeito Maurílio Arruda (PTC). A pergunta que não calar é como demorou tanto tempo para se conseguir retomar a esse patamar mínimo de normalidade com a obtenção do tal alvará sanitário.


Vaqueiros acompanham votação de projeto que regulamenta profissão

      Karine Melo - Agência Brasil

Os corredores do Senado sempre cheios de assessores e parlamentares engravatados ganharam um tom diferente no início da tarde de hoje (24) com a chegada de 70 vaqueiros de várias regiões do país. Vestidos a caráter com chapéu e gibão, o grupo veio acompanhar a votação do Projeto de Lei (PLC) 83/2011, que reconhece e regulamenta a profissão deles.

A pedido de líderes partidários, a proposta será votada em regime de urgência hoje e será o primeiro item da pauta do plenário. O texto define o vaqueiro como profissional responsável pelo trato, manejo e condução de animais como bois, búfalos, cavalos, mulas, cabras e ovelhas.

Sem garantias

Bispo não acredita em conflito fundiário e avalia que índio tem como foco ‘apenas’ o latifúndio

O bispo da Diocese de Januária, dom José Moreira, disse a este Em Tempo Real que não há risco da eclosão de um conflito fundiário no extremo Norte de Minas entre os índios da etnia xakriabás e os pequenos proprietários de terras no entorno da reserva, localizada no município de São João das Missões. Para o bispo católico, o alvo das lideranças indígenas são os grandes proprietários de terra da região.

“Recebi seis líderes dos índios lá em casa e eles me garantiram que não vão buscar o caminho do conflito com os pequenos agricultores”, diz o bispo, numa espécie de adaptação (não cabe aqui o conceito do homem natural, em estado primitivo) para o caso presente da metáfora do bom selvagem definida pelo filósofo francês Jean-Jacques Rousseau (1712-1778. A Diocese de Januária tem ascendência sobre o núcleo local do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), que historicamente tem dado suporte técnico às reivindicações dos índios.

Dom Moreira contou ao site que fez visita aos índios durante a ocupação da Fazenda São Judas Tadeu, na comunidade de Vargem Grande, no município de Itacarambi. A propriedade foi ocupada no dia 1º de setembro, no que poderia ser o primeiro de uma série de movimentos que os líderes xakriabás estariam planejando para obrigar a Fundação Nacional do Índio (Funai) a apressar a chamada ‘identificação territorial’ que vai permitir a ampliação dos limites da área da reserva.

Tempos de D. Pedro

Para vereador, empresário tenta mudar foco do debate ao insinuar que Câmara ameaça emprego de funcionário

###Reunião vai discutir, nesta quarta, poluição de cerâmica localizada ao lado do Bairro Tamuá

Imagem: Divulgação

Vista aérea da Cerâmica Manga: fuligem espalhada pelos fornos ganha status de polêmica em Manga

Foto: Clever Ignácio

A Câmara de Municipal de Manga realiza na tarde da próxima quarta-feira (25) audiência pública a pedido pelo vereador Luiz Carlos Santana Caíres, o Luiz do Foguete (PT) para discutir os supostos danos ambientais causados por uma cerâmica instalada à beira do Rio São Francisco, no Bairro Tamuá, perímetro urbano da cidade. Segundo o vereador, a fuligem que sai dos fornos do empreendimento atinge boa parte da cidade, em especial os alunos da Escola Estadual Ministro Petrônio Portela, que fica a poucos metros do local. 

O presidente da Câmara, vereador Leonardo Pinheiro (PSB), convocou o empresário João Bosco Lara, dono da empresa Cerâmica Manga, para explicar que medidas podem ser tomadas para reduzir com a emissão de poluentes vindas dos fornos da empresa. Com a aproximação da data da audiência, começou a surgir aqui e ali, alguns sinais de reação do empresário Bosco à iniciativa da Casa. Os funcionários da Cerâmica prometem comparecer à audiência para protestar contra o que seria uma ameaça aos seus empregos.

O empreendimento, segundo Luiz do Foguete, emprega cerca de 80 pessoas. Luiz do Foguete reclama da tentativa de tentar mudar o foco da discussão. O assunto chegou às redes sociais com insinuações de que ele defenderia os interesses do também empresário e ex-prefeito Haroldo Lima Bandeira (PMDB), que teria interesse em montar um negócio concorrente na cidade.   

“Nosso objetivo não é fechar empresa nenhuma nem tomar o emprego de ninguém”, diz Luiz do Foguete, irritado com o que seria a manobra utilizada pelo empresário João Bosco para a questão social da perda de empregos dos funcionários da empresa. Os vereadores querem que João Bosco explique detalhes do 'funcionamento e operacionalidade da Cerâmica Manga’. A ideia é discutir os danos ao meio ambiente e à saúde dos cidadãos pela fumaça que se espalha pelos bairros do entorno do estabelecimento.
Forno a gás...

Frota cresce sem parar e acidentes viraram rotina também nas pequenas cidades

Imagens: Eliete Mouraria

Curiosos observam trabalho da equipe do Samu após acidente no último sábado em Manga: triste rotina

CONTEÚDO EXCLUSIVO - O crédito farto e relativamente barato para a compra de automóveis que tomou conta da praça nos últimos anos teve o efeito colateral de entupir as grandes e médias cidades brasileiras. Nossas vias arteriais do tráfego não estão preparadas para atender a invasão de carros que se vê por e, a depender da lerdeza dos governos nos vários níveis, não vão conseguir dar vazão à nova e crescente demanda.

Os reflexos disso também chegaram às pequenas cidades, em que o registro de acidentes de trânsito – coisa rara até bem pouco tempo – vai ganhando ares de epidemia. Soma-se a isso ao despreparo e imprudência de parte dessa nova leva de condutores, aliados à práticas poucos segura de ler mensagens no celular e dirigir um veículo ao mesmo tempo e está pronta a receita para os acidentes que matam e mutilam milhares de jovens a cada ano no país.          

Um exemplo dessas tragédias foi a morte da assistente social Ana Paula Ferreira Nunes, 26 anos, após batida de motos em cruzamento no cento de Janaúba, no dia 14 de setembro. Ana Paula era filha do ex-prefeito do município José Benedito Nunes. Os exemplos se multiplicam em cidades do Norte de Minas.

Um acidente de trânsito no centro de Manga, por volta do meio-dia do sábado (21), fez com que a comerciária Maria da Conceição Oliveira quebrasse o fêmur ao quase colidir com o WV Apollo, conduzido por Antônio Marques Carvalho, o Antônio Serralheiro. A moça se assustou ante a iminência da batida e caiu da moto que pilotava. Até o final da tarde do domingo, ela aguardava autorização para ser removida para Montes Claros. Mais um caso na rotina que tomou conta da cidade.

Semafóros...

Vereadores vão analisar pedido do prefeito Anastácio para equiparar salários dos procuradores jurídico e da fazenda

### Medida beneficia uma única servidora e por isso já foi apelidada de 'Lei Kelly Cristina'

ATUALIZAÇÃO: Os vereadores de Manga aprovaram, por sete votos, na sessão da última sexta-feira (20), a chamada 'Lei Kelly Cristina', que equipara os vencimentos da atual procuradora da Fazenda, Kelly Cristina de Moura Lacerda, com o salário do procurador municipal. O projeto, que beneficia uma única servidora, vai agora para a sanção do prefeito Anastácio Guedes.

CONTEÚDO EXCLUSIVO

A equiparação dos vencimentos da procuradora da Fazenda do município de Manga, Kelly Cristina de Moura Lacerda, com os do procurador jurídico, Reginaldo Rodrigues Santos Júnior, vai movimentar a sessão da Câmara de Vereadores de Manga da noite desta sexta-feira (20). Antes de iniciar o debate sobre o tema, suas excelências vão pousar para os retratos que vão compor para a galeria de imagens da Casa.


Em seguida, começa a reunião que vai votar a proposta que já está apelidada de ‘Lei Kelly Cristina’ por alguns vereadores mais gaiatos. Em mensagem enviada à mesa diretora, o prefeito Anastácio Guedes (PT) justifica a necessidade de se aprovar a ‘adequação salarial dos servidores dos cargos jurídicos’ do município porque eles têm ‘atribuições se semelhantes e desenvolvem tarefas equivalentes’.

Isonomia...

Deputado pode ficar entre a 'cruz e a caldeirnha' caso a Funai faça a prometida remarcação da reserva indígena xakriabás

O deputado estadual Paulo Guedes (PT) deu boas risadas quando alguns jornalistas de Montes Claros (por pura chacota) começaram a nomeá-lo remanescente da tribo xakriabá – em alusão ao fato de ter nascido ao lado da reserva da etnia no município de São João das Missões, no extremo Norte de Minas. O petista trouxe à baila até uma tataravó pegada a laço nesses sertões de Minas para justificar sua nova condição de ‘índio’.

Caso vá adiante a intenção anunciada pela Fundação Nacional do Índio (Funai) de realizar nova demarcação das terras dos remanescentes xakriabás, o deputado vai enfrentar inevitável saia justa para decidir o lado que vai defender diante do provável conflito fundiário que pode colocar os municípios do entorno da reserva em pé de guerra.

Primeira demarcação foi em 1979

Produtores rurais de Itacarambi protestam contra tentativa de nova delimitação da reserva Xakriabás

### Justiça Federal determinou reintegração de posse da Fazenda São Judas, ocupada pelos índios há três semanas

Fotos. Vailton Ferreira


Um grupo de produtores rurais organizou protesto, neste sábado (21), em Itacarambi, no extremo Norte de Minas, em reação à ocupação de uma propriedade rural no município. No último dia 1º de setembro, um grupo formado por cerca de 500 índios da etnia xacriabás chegou à sede da fazenda São Judas Tadeu, na comunidade de Vargem Grande, a 36 quilômetros da sede daquele município, para tentar acelerar o processo nova demarcação da reserva, delimitada em 1979.

A expectativa é que a temperatura da crise que opõe índios e produtores aumente nos próximos dias, depois da decisão, nesta sexta (20), da 2ª Vara da Subseção Judiciária de Montes Claros. O juiz federal Alexandre Ferreira Infante Vieira concedeu a antecipação de tutela de reintegração de posse pedida pelos proprietários da Fazenda São Judas Pedro Luiz Cerize e Marcelo Cerize.

Pelo menos 100 manifestantes vestiram camisetas com a inscrição ‘fora Funai’. Eles saíram em passeata pelas ruas da cidade e terminaram o movimento no Cais da Água Viva. A revisão da área da reserva xacriabás é bandeira de gente de pensamentos tão díspares -- e motivações idem -- quanto o deputado estadual Arlen Santiago (PTB) e o ex-secretário dos Direitos Humanos na era Lula e agora deputado federal Nilmário Miranda (PT), além de setores chamados progressistas da Igreja Católica.

Também por motivações díspares, essa turma parece está mais perto de conseguir o objetivo mútuo de levar a adiante a tragédia há muito anunciada de um latente conflito fundiário que ameaça o povo sofrido do norte-mineiro. A Funai iniciou estudos para rever a delimitação da área indígena no município de São João das Missões em 2007.

Clima de tensão...