PESOU NO BOLSO

PESOU NO BOLSO

Conta de luz pressiona a inflação Marli Moreira - Agência Brasil…

More...
A INADIÁVEL TAREFA DE SALVAR O NORTE DE MINAS

A INADIÁVEL TAREFA DE SALVAR O NORTE DE MINAS

Governos precisam retomar projeto de perenização dos rios para evitar iminente tragédia da desertificação…

More...
MUSEU DO VALE DO SÃO FRANCISCO

MUSEU DO VALE DO SÃO FRANCISCO

Casa da Memória em Januária entra para o catálogo nacional de museus e fica…

More...
 UM GÁS NA ECONOMIA

UM GÁS NA ECONOMIA

Pagamento do décimo terceiro cresce 10,1% e deve injetar R$ 158 bi na economia…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.

Publicação do EIA/Rima foi único avanço na pavimentação da rodovia federal no extremo norte-mineiro ao longo de 2013

Problemas com a burocracia atrasam o retorno das máquinas para o leito da BR-135 (Imagem: www.br135.com.br)

A folhinha de 2013 avança rapidamente para a aposentadoria e a sensação é de que chegamos ao final de um ano perdido em várias frentes. Assunto recorrente aqui neste espaço, a pavimentação da BR-135 entre as cidades de Itacarambi e Manga, no extremo norte-mineiro, não andou muito ao longo do ano que agora termina. Aliás, já não anda há um bom tempo. Tampouco andou a licitação para a escolha da empresa que vai concluir aqueles esquecidos 18 quilômetros que separam Montalvânia do povoado de Monte Rei. O usuário da rodovia naquela região segue a conviver com a lama e poeira, a depender da estação.

Se as máquinas ainda não voltaram à BR-135, a boa notícia é que o ano que se vai não foi completamente perdido para as esperanças de quem confia nas promessas do governo federal de que a rodovia será asfaltada naquele pedaço esquecido do mapa de Minas. Houve algum avanço, sim, na burocracia que atrasa essas duas obras já há um bom período.

Em novembro passado, o Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) aceitou o estudo de impacto ambiental e o relatório de impacto ambiental (EIA/Rima). Esses dois documentos de nome um tanto engraçado são fundamentais para a continuidade da obra. E aí tivemos um avanço.

Por quê? Porque a publicação do edital pelo órgão ambiental representa passo importante na longa novela da pavimentação do trecho da BR-135 entre Itacarambi e Montalvânia. O ano chega ao fim sem que o Ministério dos Transportes tenha conseguido realizar as audiências públicas com a população das cidades ao longo do trajeto da estrada, mas há um alento: o ano eleitoral de 2014 deve contribuir para que a roda da burocracia ande mais rápido.

Caravanas

Hamilton Viana chora na TV ao tentar justificar buracos na avenida principal do Riacho da Cruz

CONTEÚDO EXCLUSIVO

O vice-prefeito de Januária, Hamilton Viana (PT), foi o personagem do principal fato político da microrregião na semana. Viana ganhou, mais uma vez, generoso espaço na TV Norte para tentar explicar o descaso do poder público para com a comunidade de Riacho da Cruz, a 20 quilômetros de Januária. Desta vez, Viana não se saiu tão bem quanto nas situações anteriores, em que atuava como estilingue na vidraça alheia. Alçado ele mesmo à condição de teto de vidro, Hamilton Viana cometeu na TV uma patranha que há muito não se via: explicou, explicou e não disse nada.


Pior: chorou ao final do discurso, ao misturar vida pessoal com a obrigação institucional de levar resposta para a comunidade do Riacho da Cruz, onde foi eleito por quatro mandatos consecutivos para o cargo de vereador. Ao tentar explicar o seu sumiço da comunidade onde fez carreira política, ele citou caso de doença em família e caiu no choro.

O povoado de Riacho da Cruz foi palco nos últimos dias de dois protestos pelas péssimas condições da Avenida Antônio Correia e Silva, principal via de acesso do distrito. Parte da população interditou no sábado (20) e na segunda-feira (23) o fluxo dos veículos no traçado normal da BR-135, quando forçou o desvio do tráfego de veículos para dentro da comunidade – onde o asfalto deu lugar para verdadeiras crateras na pista de rolamento. O barulho foi dos bons, com queima de restos de madeira, galhos e pneus. Desde as manifestações que tomaram conta das ruas do país no último mês de junho, esse tipo de movimento tem se repetido para o padrão da quase banalização. São demandas reprimidas que agora vêm à tona no grito - sem a intermediação dos antigos canais institucionais.

Não faltou nem mesmo o padre de passeata João Paulo, da Paróquia Sagrada Família, que açoitou, sem muita clemência, a dupla petista que hoje comanda Januária ao classificar como 'pecado' o descaso para com a população local. João Paulo disse que os buracos na avenida têm atrapalhado até mesmo o trabalho pastoral que desenvolve na comunidade, porque os fieis não animam pegar a estrada rumo ao templo. Exageros à parte, é certo que quem trafegava pela BR-135 durante a interdição da via foi forçado a ser solidário com os dilemas paroquiais do vice-prefeito Hamilton Viana.

Buracos na pista e o o bloqueio da BR-135: quem passava pela região pagou o pato

Na TV o vice-prefeito não acenou com solução para o problema. Limitou-se a dizer que a Prefeitura de Januária aguarda a liberação de recursos no valor de R$ 1,5 milhão de convênio assinado com o governo estadual. O dinheiro será usado no recapeamento da avenida principal do Riacho da Cruz e, segundo Viana, o município aguarda a verba desde o mês de julho.

“A parte que cabe à Prefeitura está disponível, aguardando a liberação da parcela que cabe ao Estado”, disse o vice-prefeito – que foi à televisão por que o prefeito do município, Manoel Jorge (PT), estava em viagem a Belo Horizonte, onde recebeu um caminhão-caçamba e uma pá carregadeira do governo federal, em programa tocado pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS). 

Segundo Hamilton, as duas máquinas teriam sido adquiridas pelo governo de Minas, como parte do convênio para resolver a situação do asfalto no distrito do Riacho da Cruz – o que não procede. O equipamento que Manoel recebeu em cerimônia da qual participou o ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) são parte do pacote de doações que o governo federal realiza a pequenos municípios e são destinadas a promover a mobilidade rural e a segurança hídrica no semiárido.

Ex-bodoque, Hamilton leva pedradas

Silvano Araújo é transferido para penitência de segurança máxima em Francisco Sá

CONTEÚDO EXCLUSIVO

O empresário e suplente de deputado federal Silvano Rodrigues de Araújo (PTdoB) foi transferido na tarde da segunda-feira (23) para a penitência de segurança máxima de Francisco Sá, no Norte de Minas. A informação foi repassada para site por uma fonte ligada ao meio Judiciário de Jaíba. Silvano e o irmão Sildete Rodrigues de Araújo, o Detinho (PMN). foram presos há três semanas durante a operação Agosto da Polícia Federal, que investigou supostos desvios de recursos públicos da Prefeitura de Jaíba.

Os irmãos Araújo estavam detidos na cadeia pública de Manga, após operação de transferência do presídio regional de Montes Claros, solicitada pelo Ministério Público daquela Comarca, onde foram ouvidos pelos promotores locais. A Polícia Federal divulgou gravações em que voz atribuída ao empresário Silva Araújo ameaças de morte aos promotores encarregados das investigações em torno do seu nome.

O empresário é apontado pela Polícia Federal como o mentor do esquema de corrupção que teria desviado milhões de reais da Prefeitura de Jaíba nos últimos anos – em especial durante a gestão do ex-prefeito Detinho. A Policia Federal e o Ministério Público lançaram luzes sobre a corrupção em Jaíba depois das denúncias oferecidas para a Câmara Municipal, em agosto passado, contra o agora ex-prefeito Jimmy Murça (PTdoB) – cassado no dia 22 de novembro após passar por processo de investigação na Casa.

Enoch reassume comando do município na véspera do Natal e pede tempo de união e paz

Imagem: Giliardi Rafael

O vice-prefeito de Jaíba, Enoch Vinicius Campos de Lima (PDT), acaba de reassumir a titularidade do cargo, em cerimônia realizada na Câmara de Vereadores no final da manhã desta terça-feira, 24 de dezembro. O retorno de Enoch foi determinado pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que concedeu, no último dia 19, efeito suspensivo ao agravo de instrumento solicitado pelos advogados do vice e agora novamente titular do cargo em Jaíba (veja aqui). Medida cautelar expedida pela então juíza titular da Comarca de Manga afastou Enoch da cadeira de prefeito 10 dias depois ele ter assumido a vaga aberta com o impeachment do titular Jimmy Murça (PCdoB).

O vereador Júnior Leonir Guimarães Freitas, o Júnior da Maqtel (PSDB), que ocupou a cadeira de prefeito nas três últimas semanas, reassumiu a presidência da Câmara de Jaíba na mesma cerimônia. Ao assumir os trabalhos, Júnior da Maqtel solicitou a leitura de correspondências da 8ª Câmara Civil, do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, bem como do ofício expedido pela 2ª Vara Civil, Criminal e de Execuções Penais da Comarca de Manga, em que se comunica a decisão que determinou a volta de Enoch ao cargo.

Júnior da Maqtel (ao microfone) no momento em que dava posse ao substituto Enoch (Foto: Giliardi Rafael)

Os presentes, entre eles autoridades locais, foram convidados a pronunciar a oração do Pai Nosso e, em seguida, Júnior da Maqtel deu a posse ao seu substituto. De volta à Câmara, o agora ex-prefeito Júnior da Maqtel desejou sorte ao empossado e agradeceu a colaboração que recebeu de secretários municipais e servidores durante o breve período em ocupou o gabinete de prefeito.

Após ler o juramento de praxe, o novamente prefeito Enoch cumpriu à risca o script dessas ocasiões: prometeu ‘contribuir para o desenvolvimento de Jaíba’ e ressaltou ainda que o seu retorno ao cargo nas vésperas do Natal é muito significativo do tempo de paz e união que o município tanto precisa para superar a mais longa crise política que atravessa em seus 23 anos de emancipação. “Vamos trabalhar de maneira transparente e fazer as reflexões necessárias para tomar decisões melhores para o bem do povo de Jaíba”, disse o empossado.

Priodiade para pagamento de salários

Contratos temporários com laticínios vão garantir leite para famílias carentes até março

            Imagem: sitebarra.com.br

Resolvido ao menos temporariamente o impasse que levou à suspensão nos contratos de entrega do leite para cerca de 150 mil famílias carentes em Minas Gerais. O Idene (Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais) suspendeu em 30 de novembro os contratos de compra e distribuição do leite. A medida aconteceu após o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) publicar a resolução 61/2013, que estabeleceu normas e procedimentos referentes ao Programa de Aquisição de Alimentos, modalidade Incentivo à Produção e Consumo de Leite no país.

O Diário Oficial da União (DOU) trouxe na sexta-feira (20) a publicação de convênio entre a União e o Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Idene), braço operacional da Secretaria de Estado de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas (Sedvan). Segundo comunicado da Sedvan, a distribuição do leite para o programa ‘Fome Zero – Leite pela Vida’ começa a ser retomada já nesta terça-feira, véspera do Natal, logo após o Idene ter autorizado o imediato retorno dos laticínios e cooperativas participantes do Programa Leite pela Vida a distribuir o leite destinado aos beneficiários.

A solução encontrada pela União e a Sedvan para resolver o impasse na suspensão do fornecimento do leite foi assinar contratos temporários pelo prazo de 75 dias com os mesmos laticínios já cadastrados pelo programa. A Sedvan/Idene promete realizar os pregões para a escolha dos novos fornecedores do leite até o dia 1º de março. Uma das razões para a suspensão dos antigos contratos é que o governo federal definiu a preferência para as cooperativas, com no mínimo três de existência, para realizar o trabalho de coleta, industrialização e distribuição do produto. Laticínios privados só serão contratados em municípios onde não existam essas cooperativas ou em que elas atestem sua incapacidade técnica para coletar e industrializar o produto.

Preços do leite foram reajustados

Governo Federal repassa 335 máquinas a municípios mineiros

### Segundo MDA, ação universaliza entrega de retroescavadeiras para municípios brasileiros com até 50 mil habitantes

Imagem: Portal do MDA

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, participou de solenidade, na manhã desta segunda-feira (23), no Parque de Exposições Bolívar de Andrade, em Belo Horizonte, em que foi entregue novo pacote de 335 máquinas destinadas a promover a mobilidade rural e a segurança hídrica no semiárido. Prefeitos do estados receberam as chaves de 152 retroescavadeiras, 32 motoniveladoras, 26 caminhões-pipa e 125 caminhões-caçamba, que representam investimento de R$ 71,1 milhões do Governo Federal.

Em Minas, o programa atendeu a 323 prefeituras e marcou a universalização de entregas de retroescavadeiras para todos os municípios brasileiros com até 50 mil habitantes – iniciativa prevista no chamado eixo estradas vicinais do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). O programa é conduzido pelo ministro Pepes Vargas (Desenvolvimento Agrário), mas coube a Pimentel representar a presidente Dilma Rousseff na cerimônia. Pimentel, como é sabido, é pretenso candidato ao governo estadual nas eleições de 2014.

O evento atraiu magote suprapartidário de políticos de todas as regiões do estado. O deputado estadual Paulo Guedes (PT) comandou caravana de prefeitos do extremo norte-mineiro que chegaram logo cedo à capital para participar da cerimônia: os petistas Anastácio Guedes (Manga), Manoel Jorge (Januária) e Marcelo Pereira (São João das Missões), além de Edmárcio da Sisan (PTN-Matias Cardoso), Ramon Campos (PDT-Itacarambi) e Expedito da Mota Pinheiro, o Peu (DEM-Juvenília) pousaram para as fotos de praxe ao lado do maquinário. O município de Manga foi contemplado com um caminhão-caçamba que complementa pacote de máquinas repassadas pelo governo federal.


Paulo Guedes (ao centro) comanda caravana suprapartidária de prefeitos norte-mineiros:  todos perfilados ao lado de máquinas do PAC2

Segundo o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), a ação deve levar serviços para mais de um milhão de pessoas que vivem no meio rural de Minas Gerais. Os equipamentos serão administrados pelas prefeituras. O ministro Fernando Pimentel disse que a iniciativa do Governo Federal resolve os problemas dos municípios e ainda aquece a indústria do país. “Vamos entregar, ao todo, mais de 18 mil equipamentos. São cinco bilhões de reais em compra do Governo Federal. Todas essas compras foram feitas na indústria brasileira. Esse programa tem uma lógica: gera emprego, gera renda e também gera bem estar para a população dos municípios”.

Máquinas

Em Minas Gerais, 792 municípios foram beneficiados com retroescavadeiras. Para aquisição desse tipo de equipamento, o Governo Federal investiu cerca de R$ 119 milhões. Já com os caminhões-caçamba, que foram universalizados para os municípios em situação de emergência, foram injetados mais de R$ 46,5 milhões.
Com essa entrega, já são contabilizadas mais de 1,2 mil máquinas entregues. Até o fim do primeiro semestre de 2014, outras 1.372 serão distribuídas aos municípios mineiros, totalizando investimento de cerca de R$ 744 milhões e 2,5 milhões de pessoas no campo beneficiadas.

CGU está de olho no mau uso de máquinas doadas às prefeituras

Vice-prefeito afastado por medida cautelar deve reassumir cargo nesta segunda

Entra e sai de prefeitos: Júnior da Maqtel (E) volta a assumir presidência da Câmara com decisão que devolve o cargo para Enoch Lima

A interminável crise política em Jaíba pode ter novo capítulo nesta segunda-feira (23). Segundo o editor do jornal ‘Tempo Notícias’, Romero Oliva, o vice-prefeito Enoch Vinicius Campos (PDT) vai reassumir o cargo de prefeito ainda hoje. Medida cautelar expedida pela então juíza titular da Comarca de Manga afastou Enoch da cadeira de prefeito 10 dias depois ele ter assumido a vaga aberta com o impeachment do titular Jimmy Murça (PCdoB).

A volta de Enoch foi determinada por decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que concedeu, no último dia 19, efeito suspensivo ao agravo de instrumento solicitado pelos advogados do vice e agora novamente titular do cargo em Jaíba. O Tribunal de Justiça acatou argumento de que Enoch não teve de cometer atos de improbidade administrativa na sua breve, brevíssima, passagem pelo cargo. A corte também considerou em sua decisão que o prefeito substituto não representava ameaças às investigações da Polícia Federal e Ministério Público no bojo da ‘Operação Agosto’, deflagrada há três semanas na cidade.

Na ocasião, a Polícia Federal cumpriu 43 mandados judiciais, sendo 13 mandados de busca e apreensão, 23 mandados de sequestro de valores, bens móveis e imóveis, quatro mandados de prisão temporária e três de condução coercitiva (quando o acusado é levado para depor na sede da Polícia Federal). O ex-prefeito do município Sildete Rodrigues de Araújo, o Detinho (PMN), e seu irmão Silvano Rodrigues de Araújo (PTdoB), que seriam aliados políticos do ex-prefeito Jimmy Murça, foram presos durante a operação Agosto.

Mudanças também na Câmara

Durou pouco. No mesmo dia em que o presidente do Senado, Renan Calheiros, pautava a imprensa nacional com a boa notícia de que vai devolver R$ 275 milhões para o governo federal, como parte da economia que conseguiu com programa de racionalização interna desenvolvido pela Comissão Diretora em 2013, o senador voltava a protagonizar episódio pouco honroso para a sua biografia e a ocupar as manchetes com novo escândalo.

Nota publicada pelo jornal ‘Folha de São Paulo' dá conta que o presidente do Senado requisitou avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para deslocamento entre Brasília e Recife, na última quarta-feira (17). Renan viajou para a capital de Pernambuco com o objetivo de fazer um implante de cabelo e não tinha compromissos oficiais naquela data.

Segundo dados publicados no site da FAB, o presidente do Senado saiu de Brasília às 22h15 e chegou a seu destino às 23h30. A aeronave levou outros quatro passageiros, provavelmente convidados de Renan, uma vez que não há registros de que o voo tenha sido compartilhado. O senador informou à FAB que a viagem seria "a serviço". A ‘boa notícia’ protagonizada por Renan, com a devolução da economia no Senado, foi rapidamente apagada com mais essa demonstração de mistura entre o público e privado.

Afinal, o que o contribuinte tem que ver com a vaidade do senador alagoano e suas melenas¿ Renan tem no currículo triste episódio em que se valeu da ajuda de uma empreiteira para pagar a pensão alimentícia de filho fora do casamento que teve com uma jornalista. Renan volta ao seu habitual proceder. Novidade nenhuma. O Brasil ainda demora para ter jeito.

Idas e vindas de prefeito, vice e assessores custam caro para o contribuinte em Manga

### Secretário diz que gastos são legais por participação em compromissos que podem render R$ 25 milhões em recursos para o município

### Portal da Transparência será atualizado até final do ano. Oposição não comenta assunto

Anastácio e o vice Eliel botaram o pé na estrada: gastos com diárias seriam compensados com recursos para muicípio

Vereadores Evilásio Amaro e Gil Mendes: oposição enfiou a viola no saco e não comenta valor das diárias: deixa o homem viajar

CONTEÚDO EXCLUSIVO

Depois do episódio do pagamento de gratificações para servidores – cuja denúncia, por sinal, foi recusada pela Justiça no início deste mês -, o prefeito de Manga, Anastácio Guedes (PT) pode precisar explicar os gastos com o pagamento de diárias durante os cinco primeiros meses do seu mandato. Há algumas inconsistências e situações específicas, além do volume de viagens. Os dados, relativos aos cinco primeiros meses do atual governo, estão disponíveis no Portal da Transparência – que pode ser acessado a partir do site oficial do município (aqui) e vieram à luz depois que o advogado e jornalista Fábio Oliva publicou o material em uma rede social.

Os relatórios de pagamento de empenhos com as despesas de viagens do prefeito Anastácio Guedes, por exemplo, dão conta que ele pediu ressarcimentos que somam R$ 35,1 mil em deslocamentos realizados durante os primeiros cinco meses de mandato. Constam ainda das prestações de contas do prefeito, dois pagamentos no valor total de R$ 4,3 mil, relativos ao ressarcimento de gastos que ele teria feito do próprio bolso para a quitação de despesas do carreto de uma motoniveladora que o município comprou e pela emissão de certidão digital.

Se a média dos gastos com diárias for mantida até este final de ano, os manguenses terão pago, em 12 meses, cerca de R$ 85 mil em diárias para custear as idas e voltas do atual prefeito. Ou um pouco mais, já que ele intensificou sua agenda de compromissos fora da cidade ao longo dos últimos meses. Ainda segundo o Portal da Transparência de Manga, o vice-prefeito Eliel Dourado (PRB) recebeu R$ 9,8 mil em contraprestação de despesas com viagens até o mês de maio – o que projeta pagamentos de R$ 24 mil para o primeiro ano de mandato. Vale lembrar que o prefeito Anastácio tem salário bruto (antes dos impostos) no valor de R$ 15 mil e o vice Eliel, de R$ 9,8 (sem os impostos). Eles ainda estão isentos de despesas com telefonia, combustíveis e postagem de correspondência.

Os valores recebidos por Anastácio correspondem a 52 diárias no valor máximo previsto no decreto que regulamenta o assunto, que corresponde a R$ 680 pagos em caso de deslocamentos para Brasília. Acontece que a maior parte das informações que constam do Portal da Transparência relatam viagens para cidades do Norte de Minas, em que valor pago nos deslocamentos do prefeito é bem bem menor (para Montes Claros, por exemplo, destino habitual dos prefeitos da região, tem diária de R$ 280 no caso de Manga). Ademais, descontados os finais de semanas e feriados entre janeiro e maio, no total de 48 dias, Anastácio teria passado a metade dos cinco primeiros meses do mandato fora do município – o que também não é razoável supor.

A explicação para o expressivo valor de ressarcimento seria a inclusão de gastos com passagens (de avião ou ônibus) ou custos com combustíveis e corridas de táxi. Questionado pelo Em Tempo Real, o secretário de Administração, Diogo Moreira, diz que possivelmente os valores não dizem respeito somente às diárias, porque há circunstâncias emergenciais em que o agente político paga também as despesas de locomoção com recursos próprios e depois pede o reembolso. A legislação que trata do assunto, no entanto, não prevê essa prática. Anda segundo Diogo Moreira, Manga seria um dos municípios com gastos proporcionalmente menores com essa rubrica e diferença estaria no fato de que o prefeito levou a transparência a sério e colocou os dados à disposição do público, em portal da internet. 

Mas não foram só o prefeito e vice que pediram ressarcimento de gastos com viagens. O procurador jurídico do município, Reginaldo Rodrigues dos Santos, fez jus ao pagamento de R$ 5,8 mil em diárias até o mês de maio. Já a procuradora da Fazenda Municipal, Kellen Cristina de Moura Lacerda, apresentou notas no valor de R$ 3 mil para cobrir suas despesas com a participação no 11º Fórum Brasileiro de Contratação e Gestão Pública, realizado em Belo Horizonte, entre os dias 23 e 24 de maio deste ano.

Questionado sobre o alto valor desse pagamento, o secretário Diogo Moreira diz que ‘provavelmente há ressarcimento de passagem aérea ou de combustível’. O próprio Digo Moreira recebeu diárias no valor de R$ 3,4 mil entre janeiro e maio. O secretário de Agronegócios e Desenvolvimento Sustentável, Jercílio Vieira, foi ressarcido em despesas com viagens no valor de R$ 4,6 mil.

Pagamentos são legais, diz secretário

Justiça bloqueia bens de ex-prefeito de Miravânia e construtora para garantir ressarcimento por obras não concluídas

CONTEÚDO EXCLUSIVO

Saiu na quarta-feira (17) decisão do juiz Mateus Queiroz de Oliveira, da Comarca de Manga, em ação de improbidade administrativa, com pedido de medida cautelar, contra o ex-prefeito de Miravânia, Elpídio Gomes Dourado (PTB), o Bila, e a empresa Ribeiro Sampaio Ltda., com nome de fantasia de Construtora Santa Fé. O magistrado concedeu prazo de 15 dias, a contar depois da publicação da liminar, para a apresentação da defesa por parte dos citados.

A ação foi proposta pelos advogados do município e denuncia ausência na prestação de contas em convênio de cooperação técnica e financeira firmado pelo então prefeito Bila com a Secretaria de Estado e Desenvolvimento Social (Sedese). O acordo previa repasses de recursos no valor total de R$ 650 mil, em cinco parcelas iguais de R$ 130 mil.

Ainda cabe recurso à liminar que determinou o bloqueio dos bens dos do ex-prefeito e da construtora até o limite de R$ 208,5 mil, valor que deverá ser ressarcido aos cofres públicos na hipótese de condenação. Bila comandou o pequeno município do mais extremo norte-mineiro por dois mandatos consecutivos, entre os anos de 2005 a 2012. Bila enfrenta outras ações judiciais movidas pelo seu desafeto político e atual prefeito de Miravânia, Raimundo Luna (DEM), e forma na extensa lista de ex-mandatários municipais às voltas com advogados de defesa após deixarem seus cargos.

Obras não concluídas