LAR, DOCE LAR...

LAR, DOCE LAR...

Governo vai combater ação de criminosos no 'Minha Casa, Minha Vida'…

More...
ECOS DOS TERREMOTOS EM MONTES CLAROS

ECOS DOS TERREMOTOS EM MONTES CLAROS

Unimontes faz parceria para dominar conhecimentos sobre abalos sísmicos   Com Agência Unimontes…

More...
MINEIROS JÁ PAGAM MAIS CARO POR ENERGIA

MINEIROS JÁ PAGAM MAIS CARO POR ENERGIA

Aneel define reajuste médio das tarifas da Cemig em 16,33% ### Para…

More...
O CHURRASCO FICOU MAIS CARO...

O CHURRASCO FICOU MAIS CARO...

Preço da carne bovina dispata e já pressiona a inflação Da Agência Brasil…

More...
SAI A SEGUNDA PARCELA DE AJUDA A PREFEITOS

SAI A SEGUNDA PARCELA DE AJUDA A PREFEITOS

Governo depositou nesta terça-feira R$ 1,5 bilhão da segunda parcela de apoio financeiro a municípios…

More...
O  FIM DE UM ABUSO

O FIM DE UM ABUSO

Passageiro que desistir de viagem de ônibus terá dinheiro de volta Da Agência…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.

O número de atendimento a vítimas de acidente de trânsito dobrou em relação ao ano passado

(ATUALIZADO) - O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência do Norte de Minas (Samu Macronorte) divulgou nesta terça-feira (22) o tradicional balanço das ocorrências de trânsito na região durante o feriadão da Páscoa. Segundo o Samu, o Norte de registrou 642 atendimentos durante o feriado de Semana Santa. Do total, 184 foram de acidentes de trânsito, aumento de 100% em relação ao ano passado, quando foram registrados 92 atendimentos a vítimas de acidente de trânsito no mesmo período. O total geral foram 354 atendimentos no período, em 2013. Há pelo menos duas vítimas fatais nos acidentes.

As ocorrências de acidentes de trânsito, não só nas rodovias, mas também nas áreas urbanas, têm sido um dos principais motivos de acionamento do Samu na região, respondendo por mais de 60% dos atendimentos por causa externa. A maior incidência dessas ocorrências se concentra nas BR’s 251 e 135, sendo que na BR-135 o número de acidentes é maior, mas na BR-251, os acidentes são mais graves. Já na área urbana, a maioria das ocorrências envolve motocicletas.

Imperícia

Uma breve parada aqui no Em Tempo Real pelos próximos dias. Hora do descanso, nem tanto para o lazer: pois os dias presentes são de excepcional fardo. Mas, como diria o Neo Pinel, ‘ramu rêru má’ lá para as bandas do Sul. A ideia é desconectar, mas como nem sempre isso é possível, convido os leitores a navegarem por aqui: pode sair algo em edição extraordinária.

A esperança de encontrar o Brasil de pé na volta – a despeito do esforço que muita gente parece fazer para desacreditá-lo nos recorrentes avanços sobre suas instituições mais críveis. Retorno ao Cerrado em breve, para responder a uma segunda rodada da Pesquisa de Nacional por Amostra de Domicílios Contínua do IBGE, que agora cismou de acompanhar os meus pobres passos de baixa classe média – temerosa com o retorno das maquininhas e seus disparates inflacionários, que há muito ronda a cena e só os doutores do governo fingem não perceber.

Pesquisas reservam más notícias para todos os candidatos, mas têm pouca relevância para sucessão

Dilma (E), em queda livre, ainda ganha de rivais no primeiro turno: mas isso tem pouca relevância no processo

As sucessivas rodadas de pesquisa eleitoral sobre a sucessão presidencial e as carradas de interpretações que suscitam devem, por ora, ser vistas com relevância relativa. Elas são a fotografia de momento e pouco peso têm a acrescentar nos números que vão efetivamente sair das urnas em outubro. Em especial, pelo fato não desprezível de que há a Copa do Mundo a separar o incerto agora com o momento definitivo da ida às urnas.

Por falar em pesquisas, na última delas, a presidente Dilma Rousseff recuou mais um pouco, para 37% das intenções de votos. Ainda assim com folga para levar a disputa já em primeiro turno. Para vencer uma eleição em primeiro turno, o candidato precisa somar votos válidos em maior número que o dos rivais. Pela última medição do Ibope, divulgada na semana passada, a soma de votos indicados para adversários Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), ou noutra possibilidade, Aécio Neves e Marina Silva (PSB), além da arraia miúda dos sete candidatos figurantes dos pequenos partidos fica abaixo do total de votos creditados a Dilma, aqueles 37%, ainda que em queda livre.

Se as pesquisas reservam más notícias para a petista, elas não são menos alvissareiras para o tucano Aécio Neves, que segue empacado na margem de erro que oscila entre 14% e 16%. O tucano passou a ter maior protagonismo na arena da sucessão nas últimas semanas com críticas ácidas à principal adversária, por conta da crise que consome a Petrobras e os passos incertos na economia, além da exposição nos programas do horário eleitoral gratuito, mas nem assim reage para atingir o patamar de 20% nas intenções de voto - o piso aceitável para qualquer candidato que postular competitividade para sonhar com a vitória.

Situação não menos confortável é reservada para o outsider Eduardo Campos no atual instantâneo das pesquisas – ele recebeu 6% das indicações do último Ibope. O neto de Miguel Arraes não rompeu a barreira dos 10% de intenção de voto, quando o desejável para essa altura do campeonato seria algo em torno dos 15%. Campos conta com o empuxo da vice Marina Silva, quando a campanha efetivamente começar e o eleitor perceber a vinculação entre o seu nome e da ex-candidata verde – dona de respeitáveis 20% dos votos válidos na última eleição presidencial. Esperança de laboratório, porque não há garantias de que a transferência de voto vá acontecer em intensidade que o faça virar o jogo para cima do segundo colocado Aécio Neves.

O calendário eleitoral, como dizia no início, tem o recheio inusitado da Copa do Mundo entre junho e julho. Ainda que a torcida de más notícias para a presidente Dilma não se concretize durante o evento, há o fato concreto de que os políticos serão obrigados a ceder espaço, por período de quase dois meses, para as celebridades do mundo do futebol.

Passado o momento de ufanismo...

Ex-prefeito de Jaíba e demais detidos na Operação Agosto deixam prisão após habeas corpus

Fotomontagem: Júnior Oliveira

Detidos desde novembro do ano passado, na chamada Operação Agosto da Policia Federal, o ex-prefeito de Jaíba, Sildete Rodrigues Araújo, o Detinho (PMN), e seu irmão Silvano Rodrigues Araújo (PTdoB), além do vereador afastado Adilson de Freitas David, o Tela (PMDB), e o empresário Leandro Cesário, o Leo Pintor (todos nas imagens ao lado), conseguiram habeas corpus e já estão fora dos presídios das cidades de Manga e Francisco Sá, desde o final da tarde da terça-feira (15). A notícia causou expectativa em Jaíba, no extremo Norte de Minas, porque a prisão do ex-prefeito e sua turma foi um dos fatos políticos mais conturbados da história política do município.  

Após quase seis meses de prisão, a justiça da Comarca de Manga, concedeu a liberdade provisória para os réus, ao atender pedido de relaxamento de prisão com o argumento de que eles não teriam mais como atrapalhar as investigações. O juiz titular da Comarca, Mateus Queiroz de Oliveira, arbitrou pagamento de fiança de R$ 21,8 mil para cada um dos acusados, valor equivalente a 30 salários mínimos vigentes.
Com a decisão, os réus podem aguardar em liberdade vigiada o desenrolar da instrução dos seus processos.

O ex-prefeito Detinho e seu irmão Silvano Araújo são acusados por crimes de formação de quadrilha, peculato, prevaricação, ameaças, desvios de dinheiro público, enriquecimento ilícito, fraudes em licitações, corrupção ativa e passiva, entre outros. Se condenados, o que é pouco provável, pode cumprir entre cinco e 20 anos de reclusão, além de ter seus bens leiloados para ressarcimento aos cofres da Prefeitura de Jaíba.

A Operação Agosto também resultou no afastamento do agora ex-prefeito Jimmy Diogo Silva Murça (PCdoB), em medida cautelar e sob suspeitas de envolvimento no esquema que teria sido montado pelo empresário Silvano Araújo para desviar recursos do município de Jaíba.

“Não tenho nenhuma condenação por improbidade do Consórcio de Saúde”, diz ex-prefeito de Manga

O ex-prefeito de Manga Quinquinha Oliveira (PTdoB) refuta as notícias de que teria sido condenado a devolver cerca de R$ 420 mil ao Consórcio Intermunicipal de Saúde da Microrregião de Manga (Cismma), por supostas falhas administrativas durante seu período à frente daquela entidade. O valor é a somatória de três ações por improbidade administrativa provocadas pelo seu sucessor no Consórcio e na Prefeitura de Manga, o atual prefeito Anastácio Guedes (PT).

Segundo Quinquinha, não há condenação contra ele e o atual vereador Evilásio Amaro Alves (PPS), que foi secretário-executivo do Cismma no período em que o ex-prefeito acumulou as funções de presidente do Cisma, entre os anos de 2009 e 2012.

“Não se pode falar em condenação, porque o que a Justiça fez foi apenas acatar a instrução inicial desses processos. Nem eu nem o vereador Evilásio fomos notificados até agora. Estamos aguardando a confirmação dessas ações para demonstrar a farsa montada pelos nossos adversários apenas por picuinha política”, disse Quinquinha em contato telefônico com o site.

Segundo o ex-prefeito, seu sucessor no Consórcio de Saúde e na Prefeitura, faz perseguição política com o intuito de desviar a atenção para os ‘desmandos’ que supostamente estaria praticando em Manga. “Sem falar nas obras, que ele até agora não conseguiu tirar nenhuma do papel”, cutuca Quinquinha. Questionado se o vereador Evilásio Amaro não teria cometido falhas na condução do Cismma, Quinquina nega com veemência: “Não há erros, o que existe é perseguição política”.

A última, das três ações por improbidade administrativa ajuizada pelo atual presidente do órgão e prefeito de Manga, Anastácio Guedes (PT), foi aceita pelo juiz titular da Comarca de Manga, Mateus Queiroz de Oliveira, na sexta-feira da semana passada. Nela, o ex-secretário-executivo do Cismma e atual vereador Evilásio, que também é réu nos três processos, é acusado de não observar preceitos básicos da lei de licitações em pregão realizado, ainda no mês de janeiro de 2010, para a contratação de mão de obra terceirizada destinada à prestação de serviços médicos.

Armação política